O cuidado está no nosso DNA


Exames

Confira a lista de exames que o laboratório Bom Partor oferece para você.
Clique sobre o nome exame e veja as especificidades e instruções para realizar a coleta.


Nome:
CHAGAS IGM

Palavra-chave:
Doenca de Chagas
Tripanosomiase
Trypanosomiase
Trypanossoma cruzi IgM qualitativo
Tripanossoma cruzi
imunofluorescencia para chagas

Material:
Soro

Instruções:
TEMPO DE JEJUM
- Jejum obrigatório de 8 horas.
- Intervalo entre mamadas para lactentes.

Comentário:
Os testes sorológicos são utilizados como um dos critérios para confirmação de suspeita clínica da Doença de Chagas e triagem em bancos de sangue. Entretanto, alguns cuidados são necessários na escolha do método e sua interpretação. O Machado Guerreiro (Fixação de complemento) era o exame de escolha no passado, mas por apresentar baixa sensibilidade (60%), baixa especificidade e complexidade na sua execução, não mais deve ser utilizado. Os métodos Hemaglutinação, imunofluorescência e imunoensaio apresentam sensibilidade próximo a 100%. Tendo em vista a possibilidade de falso-positivos (leishmania, malária, sífilis, toxoplasmose, hanseníase, doenças do colágeno, hepatites) é recomendado que o soro seja testado em pelo menos dois métodos diferentes antes de aceito, pelo clínico assistente, a positividade da sorologia. A hemoaglutinacao é utilizada para triagem devido sua praticidade e boa sensibilidade. Entretanto, tem especificidade inferior a imunofluorescência e ao imunoensaio enzimático. A imunofluorescência indireta IgG é exame sensível no diagnostico da Doença de Chagas. A imunofluorescência indireta IgM é útil para caracterizar fase aguda. Ambos apresentam menor reprodutibilidade que o imunoensaio enzimático (ELISA). O imunoensaio enzimático utiliza antígenos altamente purificados com maior sensibilidade (98 a 100%), maior especificidade (93 a 100%) e leitura mais objetiva. O imunoensaio de partículas em gel apresenta sensibilidade de 96,8% e especificidade de 94,6%. Ressalta-se que a Organização Mundial de Saúde preconiza o uso de pelo menos dois testes de diferentes métodos para o diagnóstico laboratorial da doença de Chagas. A utilização das técnicas sorológicas em Doença de Chagas aguda é útil na ausência de exames parasitológicos positivos, pesquisar-se uma possível evolução do resultado a curto-médio prazo: colhe-se material para uma primeira sorologia logo ao primeiro exame do paciente que, se negativa, deverá ser repetida 20 a 30 dias após. Uma soroconversão, neste caso, estará indicando uma doença aguda em curso ou já em fase de regressão. Se o primeiro exame for positivo, pode tratar-se de um momento tardio de fase aguda ou de um paciente já com doença de Chagas crônica, uma dúvida que eventualmente pode ser adirimida através da clínica, da epidemiologia e de outros exames de laboratório (especialmente parasitológicos diretos); Se possível, tentar pesquisa anticorpo anti T. cruzi da classe IgM. Se positivo, o resultado será bastante sugestivo de Doença de Chagas aguda, especialmente quando a clínica e a epidemiologia forem compatíveis.


Entre em contato e agende seu exame